Projeto – Olinda quero cantar!

Tudo começou quando meu amigo Antônio Carlos Molina, um brasileiro andarilho, já amante da eterna Barcelona, assim como da cultura aborígine, tomado de paixão por OLINDA, resolveu comprar a casa da Prudente de Morais de outro Antônio, o Mendes, um dos fundadores históricos da seresta que faz pulsar há décadas o coração da cidade.Meu amigo catalão veio, então, me perguntar:
– Simone, já que tenho uma casa na cidade e somos tão irmãos na alma, posso te ofertar a Barcelona do meu coração para receber de ti a Olinda que vejo vibrar no teu?
Assim, eu diria:
SOU OLINDENSE ADOTADO NO CORAÇÃO POR MINHA IRMÃ QUE HABITA A CIDADE DOS MEUS SONHOS!
Aí eu disse:
SIM ! SIM !
E DISSE DUAS VEZES! De tão segura que eu estava de que não iria voltar atrás NUNCA! E de Simone Simonek acabei me tornando a “SIM SIM DE OLINDA”, pois outros amigos assim me apelidaram, depois de ouvirem esta história. Mas, depois pensei cá com meus botões:
E TU ÉS OLINDENSE, SIM SIM?

Aí veio uma dúvida no espírito:
De minha parte a resposta é e será SEMPRE:
SIM SIM!

Não deixo nenhuma dúvida ao NÃO:

SOU AMANTE ETERNA DE OLINDA E DISSO NÃO ABRO MÃO!

Mas será que isso é o suficiente para que eu me considere OLINDENSE!??
Pois não nasci aqui!
Transportei-me, então, às imagens da cidade que meu coração projetava de memória em minha mente.
Lembrei-me do meu pai, eu ainda pequenininha, transportando-me em seus ombros naquelas ruas lindas, coloridas, repletas de pessoas alegres.
E eu, com meus olhinhos fascinados de paixão, via o mais prestigioso
BONECO GIGANTE da cidade: O HOMEM DA MEIA NOITE

Abrindo o REINADO DE MOMO
Na noite do SÁBADO DE ZÉ PEREIRA.

Minha alma de criança sentiu, então, já no berço, aquele gostinho do carnaval mais tradicionalmente popular do Brasil.
Voltei ao presente do meu sonho acordado e senti a imensa alegria e alívio de saber que o povo batalhador desta cidade soube PRESERVAR INTACTO seu capital de
TRADIÇÃO E CORTESIA COM TODO VISITANTE!

QUE ORGULHO SENTI AO ME VER COMO UMA GOTA D’ÁGUA DESTE LINDO OCEANO CULTURAL!

Subiu em mim o SOM DO MARACATU até queimar minhas veias e umedecer meus olhos.
Vi a “PITOMBEIRA” desfilar nos 4 cantos, frevei no “ELEFANTE”.
SENTI-ME CRIANÇA OUTRA VEZ!

Agora meu espírito já perambulava pela cidade onde tanto passeio dia e noite.Subiu no peito a emoção que me dá aquelas ladeiras históricas.
COMO COMPREENDO A EXCLAMAÇÃO do português Duarte Coelho, tomado de paixão pelo lugar já no século 16:
OH! LINDA SITUAÇÃO PARA SE FUNDAR UMA VILA!

Mas os holandeses TAMBÉM amaram tanto Olinda!
Imaginem só:
OLINDA TEM AS LADEIRAS QUE FALTARIAM PARA COMPLETAR O CHARME RECIFENSE DE AMSTERDAN, AMBAS LINDAS PLANÍCIES ENVOLTAS POR MANGUES E ABAIXO DO NÍVEL DO MAR!Portugueses e holandeses, então, tomados de amor pela

DEUSA OLINDA ELEVADA SOBRE AS ÁGUAS

Construíram SOBRADOS EM SUA HOMENAGEM. Esta emoção me transportou ao alto da Sé, de onde se vê a areia e o mar se beijarem, como Ceci e Peri, sob a bênção do Deus Sol.

OLINDA É INDESCRITÍVEL!
HÁ DE VIVER SEU FASCÍNIO PARA CRER!

Ó-linda! não HÁ quem A-veja QUE não se A-paixone! Esta é a lenda que reza no lugar.
Da qual eu dou testemunho com fé!

Mas será que minhas recordações de infância e minha paixão de sempre por esta cidade serão o suficiente para fazer com que meu amigo Antônio Catalão se sinta também

OLINDENSE?

EUREKA!

Disse a mim mesma:
VAMOS OS DOIS FALAR COM NOSSO AMIGO ANTONIO PINTOR!
Pois Antônio Carlos Mendes, filho do velho Antônio, o seresteiro histórico, é o pintor das eternas maravilhas desconhecidas do lugar.
E, de tanto amar sua cidade, ele traduziu tal beleza para temas universais, como se seus quadros quisessem sempre dizer:
Por que tudo não é tão BONITO quanto OLINDA?

Falei, então, ao pintor:
Antônio, o teu xará catalão quer se sentir olindense de coração.
Ele me pede, então, para unir seu amor de cidadão de BARCELONA ao meu amor de cidadã de OLINDA.
Mas eu não sou originária dessa cidade. Tu achas que eu e ele já amamos OLINDA o suficiente para nos considerarmos como

OLINDENSES DE CORAÇÃO?

Claro, Simone! Disse-me ele também sem titubear!

Mas, em seguida, como eu, hesitou:
Chi, Sim Sim, o problema é que eu nasci em uma maternidade de Recife!
Agora você me pegou!
Será que sou MESMO olindense DA GEMA?

Resolvemos, então, os três, que iríamos falar com nosso amigo Bartolomeu Nigro, filho de outro Bartô, um dos fundadores históricos de ELEFANTES, bloco tradicional da cidade.
Nosso amigo Bartô é também sobrinho de Clídio Nigro, amante da Pitombeira dos 4 cantos.
Este membro da boemia olindense da gema possuía em sua alma olindense um espírito tão eclético e universal que até compôs a letra que serve de hino a ELEFANTES!
E que o povo adotou em seguida como HINO-ESPELHO DA ALMA DA CIDADE:
OLINDA QUERO CANTAR!

O Bartô que é filho e sobrinho dos dois ilustres Nigros, então, nos tranqüilizou:
Amigos, é verdade que o olindense tem muito orgulho de ter nascido aqui.
Mas ele ama tanto esta cidade, que ele entende muito bem que cidadãos do mundo inteiro gostariam de se sentir fazendo parte desse passado tão presente e tão promissor de um futuro que espelhe esta maravilha natural.
Além do que

OLINDA É A CAPITAL DA SERESTA! LOGO, DA BOEMIA, DESTAS ONDE SÓ VALE A LEI DO CORAÇÃO!

Por que vocês não lançam uma campanha para IRMANAR cada OLINDENSE DE CORAÇÃO? Seria uma maneira de prestarmos aqui juntos uma homenagem à

BOEMIA DE OLINDA!

Seria também, ao mesmo tempo, uma homenagem aos boêmios históricos desta cidade!
Pois nossos pais são os representantes destes
GRANDES AMANTES ANÔNIMOS DA OLINDA ETERNA!

E já que vocês resolveram fazer da casa da Prudente a

SEDE DA AMIZADE ENTRE OLINDA E BARCELONA

Por que não pedem apoio popular para que todos que amam esta cidade possam receber um titulo simbólico de

CIDADANIA DO CORAÇÃO!

DIVULGUEM A IDÉIA!
CEIS VÃO VER COMO ELA VAI PEGAR!
COM CERTEZA OUTROS AMANTES DE CORAÇÃO LEVARÃO ESTA IDÉIA À CIDADE DE SUA PAIXÃO!

E quem melhor do que vocês para lançar este

MOVIMENTO DE DEMOCRATIZAÇÃO DAS VIAS DIRETAS DO CORAÇÃO QUE CONHECE ATÉ AS RAZÕES QUE A PRÓPRIA RAZÃO DESCONHECE?

QUEM MELHOR QUE ESTES GRANDES AMANTES DA CIDADE PODERIA LEGITIMAR O AMOR QUE OLINDA vem recebendo ESPONTANEAMENTE, desde o berço, de todos que tiveram a chance de contemplá-la?

Ó LINDA!
ESTA EXCLAMAÇÃO JÁ REVELA A PAIXÃO QUE A CIDADE SUSCITA NO VISITANTE.
ESTE JÁ É SEU LEGÍTIMO MITO FUNDADOR!

O que vocês estão esperando AINDA para ajudar outras pessoas em tantos países, no mesmo caso que vocês, a descobrirem a

BELEZA!!!

Que lhes deu tanta vontade de se sentir

OLINDENSE!

E O CORAÇÃO PRECISA DE PERMISSÃO PARA AMAR?

Mal acabamos os três de escutar nosso amigo Bartô, que gritamos de uma só voz:TÁ TOPADO, ENTÃO!

TÁ LANÇADO O MOVIMENTO: OLINDENSE DE CORAÇÃO

Quando passarem por OLINDA, procurem, então, seu título!

VAMOS AMAR CADA DIA MAIS NOSSA CIDADE!

MOVIMENTO CULTURA PHENIX DE OLINDA

Apareça lá na Rua Prudentes de Moraes, nº 256, Carmo, Sítio Histórico

Para receber seu título!

CONTRIBUA PARA FAZER DE OLINDA MAIS UM PORTAL DE
PERNAMBUCO ABERTO PARA O MUNDO!!!

Assista ao vídeo da Primeira Capital Brasileira da Cultura! E apaixone-se por Olinda! Clique aqui

ESPAÇO CULTURAL PHENIX DE OLINDA
Rua Prudente de Moraes, 256, Carmo – Olinda
Fone: (81) 3439 85 61 / 9929 5634
E-mail: simone_simonek@yahoo.com.br
Site: www.culturaphenix.com 

3 thoughts on “Projeto – Olinda quero cantar!”

  1. Poetisa, cronista e fotojornalista; tradutora das coisas simples (e ao mesmo tempo complexas) do coração humano; nascida às margens do Rio Canhoto e assentada nas terras férteis das Alagoas há pouco mais de uma década, venho dizer-te, minha cara Simone, que também sou uma cidadã olindense de coração.
    Vivi dos nove aos 16 anos entre a beira-mar de Rio Doce e as margens da praia de Casa Caiada e amei essa cidade como ninguém jamais o fez.
    Pêlos dourados pelo sal do mar, pele tostada pelo sol daí, tive a grata oportunidade de passar vários Carnavais entranhada nos Quatro Cantos de Olinda e um, em especial, com um grande amor que tive – também da família Nigro – num típico casarão olindense.
    Juntos cantamos os pores-do-sol e derramamos o nosso amor pelas calçadas e ladeiras dessa cidade em poemas apaixonados.
    De olhos vidrados no céu, acompanhei com o meu Bartolomeu o passeio de Órion e de Escorpião pelo éter de Olinda muitas vezes…
    Mas o tempo passou e, mesmo distante, o meu amor continuou fiel e forte. “Sim, sim!” Posso te dizer. “Eu sou cidadã olindense também. Como tu, os Antônios e os nossos queridos Bartôs!”.

    Linda crônica, querida!
    Um forte abraço desta irmã/vizinha!
    MM.

  2. Ola( como dizem os espanhóis), cara Simone!
    Também sou Olindense de coração e tão apaixonada que quando saí de lá, fui morar em um apartamento de onde eu continuo vendo a beleza da Sé iluminada pelo sol do entardecer, a me recordar os dias de paz,alegria e sonho que vivi naquele lugar tão encantado..Lembro-me do mar, as vezes forte e voraz, as vezes manso e carinhoso como um adorável amante a me cariciar a pele com suas esmeraldas e azuis. Morei durante muitos anos na Rua Manoel Borba,em frente a Praça do Jacaré, nas proximidades da Praça do Carmo, de onde me vem a saudade dos sons da bandinha que tocava no velho coreto, embalando encontros, desencontros, amores e magia, e onde, no sábado de carnaval, íamos ver o Zé Pereira entregando as chaves da cidade ao Homem da Meia Noite,sob o som dos clarins e das alfaias do Maracatu, que até hoje ecoam na minha alma de foliã forjada nesses encontros e hoje mantida pela memória…Amo e venero Olinda, lugar onde eu comecei a entender a beleza das obras dos homens e da natureza!! Outro dia estive na minha rua e parei para ouvir os sons das vozes dos meus amigos e companheiros e a rua me respondeu com tal indizível afeto que me senti abraçada e amparada…Bendita Olinda, das ladeiras, dos becos, do casario nobre e discreto. Olindense apaixonada e saudosa.Eneida

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *